quinta-feira, 27 de abril de 2017

Uma Mulher Desumana




Do meu papel de mulher e mãe, olho pra sociedade atual e me sinto ao mesmo tempo constrangida, injustiçada e lisonjeada por ser eu mesma...
Digo constrangida, por ser mulher e ter as mãos atadas, e por muitas e na maioria das vezes não poder colocar em prática todo o poder que tenho como fêmea procriadora e educadora do futuro de uma nação. 
Injustiçada, pelo fato de como ser mãe, não poder em todos os momentos em que se é necessário, estar presente, auxiliar, estar psiquicamente estável, emocionalmente capaz, fisicamente saudável, cronologicamente presente,  historicamente e socialmente informada, culturalmente evoluída, para suprir as necessidades de auxiliar um ser humano que acabou de chegar ao mundo, prosperar em sua caminhada em prol de uma humanidade melhor.
Lisonjeada por ser taxada como culpada ou não do futuro incerto da humanidade...
Pois ser culpada por uma coisa tão grandiosa nos poe nas mãos um poder grandioso.
Poder esse que nos é tirado no momento em que não podemos escolher como e de que forma queremos dar a luz e onde, e temos que seguir regras sociais pré estabelecidas por conceitos médicos, religiosos, sociais sem levar em consideração a vontade pessoal de cada mulher. Não podemos escolher até quando nosso bebê quer e precisa ser amamentado, pois o trabalho nos espera, e mais uma vez a sociedade interfere nas escolhas... Não podemos comparecer as reuniões escolares, levar as crianças ao médico, acompanhá-las em enfermidades... São as Leis Trabalhistas!!!! Sim... Tudo isso é uma grande bola de neve, que como um pequeno grão de areia que foi escolhido, talvez por nós mesmas, chegou a esse ponto. Nós mulheres queremos algumas coisas, mas em troca damos algo infinitamente maior. Pagamos com o futuro de todos nós. Pagamos com o nosso próprio sangue. Talvez seja por isso que hoje em dia seja natural mulheres sangrarem todos os meses... Fato que antigamente não existia. Mulheres não sangravam pois davam a luz, e passavam muito tempo amamentando, e logo engravidavam... O sangramento surgiu com os métodos contraceptivos e a evolução. Mas percebem que tal evolução é científica mas a sociedade involui psicologicamente? Quantas doenças psicológicas surgiram nos chamados novos tempos? Cada vez mais a humanidade sofre com depressão, síndromes e suicídios... Tempos modernos cientificamente, com medicamentos cada vez mais evoluídos de primeira geração para tratar cada vez mais transtornos. Temos enfim uma sociedade doente, que chega ao calar da noite, ao fim de mais um dia de trabalho, cada um ingere sua dose de humanidade para dar conta do dia seguinte.

WR.
Postar um comentário