sábado, 27 de agosto de 2016

Florescimento





 Trevo da Sorte


Seus olhos me dizem tudo o que eu quero saber...  A primeira vez que me olhou, vi um brilho que nunca vou esquecer. Brilho que está ofuscado, embaçado, em um olhar triste e fechado. Como posso não ouvir o que suas palavras não querem dizer? Se são gritos de agonia silenciosos? Como posso não perceber essa luta contra o que é bom, por medo de não prosperar? É tudo tão explícito, que  a negação e a fuga são como um grande escudo brilhante que você carrega diante de si. A dor endurece as almas, os corações, mas esse endurecimento nada mais é do que uma casca que se cria em volta de um ser sensível demais pra superar certas diversidades... E é nessa sensibilidade que está toda a beleza, a graça e o valor desse ser. Só os mais belos criam cascas, justamente por não saber se defender, então criam esse mecanismo de proteção diante as dores da vida. E vão seguindo o destino sem saber que essa casca, infelizmente tem muitas rachaduras... E esse mecanismo não será o suficiente para proteger o tesouro guardado a sete chaves. A água, a mais pura e límpida que existir, conseguirá entrar em seus vãos, e inundar o reservatório que estava seco, purificando-o, hidratando-o e fazendo as sementes que lá existem brotarem novamente...



  Para meu trevo da sorte.


WR

Postar um comentário